Iluminação01 - FotoOlhar

Ir para o conteúdo

Iluminação01

Iluminação
Índice
(Em ordem de lançamento)
Iluminação 09 Farolete de Led 02 • Iluminação 08 Farolete de Led 01• Iluminação 07 Led 01 •
Iluminação 06 - Flash ou Luz Contínua? 05 • Iluminação 04 - Tipos • Flash 03 • Iluminação02Iluminação 01 • Introdução 01
Iluminação 09 - Farolete de Led 02
Por: Vivaldo Armelin Jr. - Out./21
• Nesta matéria explico como pode ser utilizado um farolete de led, no meu caso o farolete tem a possibilidade do zoom, que possibilita ampliar e reduzir a área iluminada, no entanto deixo bem explicado que aqui estou apresentando duas possibilidades, em outras matérias apresentarei outras.
• A primeira imagem, à direita e acima, trata-se de uma foto em plano geral mostrando o farolete, com uma iluminação não correspondente à das fotos. Nesta o farolete está direcionado para o fundo, a primeira possibilidade, como é visto nas duas imagens centrais. Vejam que se tem uma sensação e leitura agradável e diferenciada, principalmente, destaca o primeiro plano.
• Já a imagem maior e abaixo, o foco luminoso está na flor proporcionando um contraste interessantíssimo e valorizando as formas das pétalas. O zoom do farolete está quase que fechado.
• Este farolete pode ser usado em externas e em macrofotografia. Boas experiências!
Iluminação 08 - Farolete de Led 01
Por: Vivaldo Armelin Jr. - Ago./21
• Os faroletes de Leds grandes podem ser utilizados para a iluminação de fotografia quando se deseja iluminar uma área e pode ser modificada a luz emitida com difusores e gelatinas coloridas, ou seja, de uma luz dura para uma luz suave.
• Efeitos especiais também são um ótimo equipamento, por exemplo, a iluminação de baixo para cima, efeito terror. Também em fotografia still quando se deseja o foco luminoso em uma determinada e limitada áreas. Outra utilidade na fotografia em geral é a iluminação do fundo criando variação tonal neste.
• Os melhores são os faroletes recarregáveis, pois estes têm maior potência e intensidade luminosa. Ele pode ser adaptado para fixar em tripé e usar softbox caseiro, sombrinha etc.
• Outra utilidade interessante é na macrofotografia, mas o ideal é usá-lo com luz difusa, basta que você tenha uma folha de papel vegeta, fita adesiva, maior do que a lente do farolete.
• Ao lado a fotografia de um farolete de led recarregável. Boa experiências!
• Luz difusa com farolete de led (um farolete e um rebatedor branco).
• Farolete led lateral luz direta e não modificada, farolete pequeno projetado no fundo azul, mais rebatedor branco!
Iluminação 07 - Led 01
Por: Vivaldo Armelin Jr. - Jul./21
• As lâmpadas de leds estão tomando conta dos estúdios e até de locações, por uma série de motivos, explanarei alguns deles, porém, o que pode ser uma vantagem ou desvantagem para alguns ou algumas, na fotografia, poderá não ser para outros e outras.
Os leds são a tecnologia de ponta para iluminação contínua, ai tem mais um detalhe, alguns fotógrafos ou fotógrafas preferem trabalhar com flash, desprezando os leds. Não existe até o momento flash dedicado ou de estúdio a base de lede, mas vamos falar das vantagens e desvantagens de cada um deles.
 
— Vantagens:
1. Tempo de duração. Podem, dependendo da qualidade e preço, podem durar mais de dez anos, se comparado com uma lâmpada fluorescente ou incandescente, é muito melhor, pois ambas o tempo de duração é de horas, ou seja, entre 5 a 10 mil horas.
2. Baixo consumo de energia e pode ser facilmente utilizado em externas com baterias e ou pilhas. Em estúdio pode ser conectado à rede elétrica, vai depender do modelo.
3. Não aquece, em outras palavras, não gera calor como as fluorescentes e incandescentes.
4. Brilho, a perda de brilho com o uso é muito menor do que as demais lâmpadas.
5. Baixo risco de choque elétrico: porque a corrente elétrica é baixa.
6. Resistência ao choque: Por serem sólidos raramente são danificados em razão de quedas, pancadas etc.
7. Raios luminosos: os leds não emitem raios infravermelho ou ultravioleta, diferentemente das demais lâmpadas, como, fluorescentes, halógenas, vapor de sódio, incandescentes, vapor de mercúrio etc. Inclusive a luz solar os emitem.
8. Uso simultâneo com outras fontes de luz: pode ser integrado a qualquer outra fonte de luz. Tem ajuste de intensidade, dependendo o modelo e o preço, alguns menos precisos, outros mais.
9. Sustentabilidade: não são considerados lixo tóxico ou danoso ao meio ambiente, pois não tem mercúrio, sódio, ou outras substâncias químicas.
10. Modelos: São vários, como, no formato lâmpada incandescente, tiras, circulares, barras, placas ou embutidos em caixas.
11. Preços: os mais simples são relativamente mais baratos, mas tem menos potência e intensidade. Os mais caros, além da potência e intensidade, possuem ajustes mais precisos de intensidade, cores etc. No entanto, apesar do preço, estes mais caros, são facilmente pagos com o passar do tempo, pois duram muito mais.
 
Desvantagens:
1. Cores: Alguns led podem modificar as cores do elemento/modelo fotografado, principalmente os mais baratos. Os mais caros não têm este problema, mas o problema é o preço. Vale o investimento? Vale!
2. Potência: Alguns modelos não têm a mesma potência e intensidade do que as lâmpadas comuns, no entanto, hoje em dia com a evolução dos equipamentos, não é problema.
3. Produtos importados: São todos importados, condição que os encarecem.
4. Popularização: Não são encontrados com facilidade em lojas físicas, principalmente em cidades menores do interior do Brasil, mas na internet tem várias opções e faixas de preço.

• Em breve apresentarei alguns modelos e acessórios. Espero ter ajudado e boas fotografias!
Iluminação 06 - Flash x Luz Contínua 01
Por: Vivaldo Armelin Jr. - Jun./21
• Em estúdio o que deve usar, Flash x Luz Contínua ou ambos? A maioria dos fotógrafos usam ambos os sistemas de iluminação, já para quem produz vídeo a luz contínua é a única opção. Eu particularmente prefiro luz contínua e de led, gera menos calor e hoje em dia tem muita qualidade, inclusive são fabricados para fotografia e vídeo.
• Ambos podem ser usados em estúdios ou em exteriores, alguns fotógrafos preferem o flash, por diversos motivos e por acreditarem ter maior controle. Por que eu prefiro a luz contínua? No meu entender você faz os ajustes necessários, na mesma sequência de imagens e desde que a iluminação externa não possa interferir. Cada fotógrafo deve decidir de acordo com sua preferência e até necessidade dependendo do trabalho.
• O flash é fundamental para fotografia "splash", mas é possível também com luz contínua. O resultado é muito melhor com flash para esse tipo de captura fotográfica. Cada pessoa deve analisar o que é a melhor opção, flash, luz contínua ou ambas. Boa experimentação!
Iluminação 05 - Tipos
Por: Vivaldo Armelin Jr. - Abr./21
• Existem várias fontes de iluminação para estúdio e externa, cada um tem características próprias, bem como necessidades, são elas:
 
A) Explosão (luz não contínua):
1. Flash dedicado – flash à pilha que é usado acoplado à câmera e ou externamente via rádio, infravermelho, por exemplo.
2. Flash de estúdio (tocha) – Funciona com corrente elétrica, quando não de led esquenta muito, aceita vários acessórios.
 
B) Luz contínua:
1. Lâmpadas de tungstênio.
2. Lâmpada incandescente (atualmente pouco usada).
3. Lâmpada de led (está se tornando a melhor e mais barata opção para quem prefere luz contínua).
 
Obs.: Nos dois casos é importante ter um fotômetro manual, mas como é caro, pode-se, de início, instalar um no smartphone.
 
• A luz do flash é momentânea e muito rápida, é, portanto, ideal para fotos de congelamento do movimento, como o splash, mas também para fotografia de modelo, culinária (still). O fotógrafo ou fotógrafa tem que fazer vários testes antes do disparo para adequar a iluminação.
• Já a luz contínua permite ao fotógrafo ou fotógrafa fazer testes sem a necessidade da explosão do flash, pois a luz é contínua. Eu particularmente prefiro esta opção, mas isso é pessoal.
• Hoje em dia as lâmpadas e placas de led tem grande poder de iluminação, é óbvio que quanto mais forte, mais caro será e pode durar muitos anos ou horas.
• Os dois sistemas de iluminação (flash ou luz contínua) tem que ser bem estudado para evitar trabalho penoso na pós-produção.
• Outra possibilidade é o uso misto, flash e luz contínua. Bom estudo e análise!
Iluminação 04 - Flash
Por: Vivaldo Armelin Jr. - Jun./20
• O uso do flash pode ser prejudicial para a beleza das fotos, principalmente quando o equipamento estiver próximo do modelo, com certeza, se seu equipamento for compacto, celular ou smartphone, haverá explosão de luz. Você deve estar se perguntando por que não foram colocadas as câmeras mirrorless e DSLR? Esses equipamentos têm mais ajustes manuais, condição que permite ou possibilita compensar a explosão do flash, mas, mesmo assim, haverá explosão. Uma solução é o uso de um difusor, mesmo os improvisados com papel manteiga ou papel vegetal.
• As fotos aqui apresentadas foram capturadas com a Canon A2500, uma câmera compacta. Observe que ouve explosão de luz em todas as capturas. Um bom software (pago, grátis e ou livre) poderá amenizar o problema, mas não fará mágica. Agora façam suas análises! Boa experiência!
As duas primeiras fotografias: é possível perceber a explosão de luz na primeira imagem e a correção via software.
Nestas duas fotografias, abaixo, a distância do equipamento e o modelo foi maior e usou-se o zoom óptico, o resultado do antes e do depois são próximos, mas não semelhantes.
Estas duas últimas fotografias é possível perceber que a flor mudou de cor, houve uma explosão evidente, mesmo com a correção via software, o resultado não é satisfatório.
• Imagem sem o uso do rebatedor.
• Imagem com o uso do rebatedor branco.
Iluminação 03
Por: Vivaldo Armelin Jr.
• Neste primeiro trabalho é apresentado o uso do rebatedor em uma imagem de interior doméstico, comercial ou em um estúdio.
• A fonte de luz é a natural que adentra a janela atingindo os objetos vinda por trás.
• O resultado com o uso de um rebatedor é fundamental para a qualidade final da imagem, neste exemplo não usamos nenhuma outra fonte de luz, apenas a solar rebatida.
• O rebatedor poderá ser branco, azul, amarelo, dourado, todos poderão ser opacos ou brilhantes.
• Seu tamanho será proporcional ao tamanho dos modelos e da área onde deverá rebater a luz natural ou artificial.
• No nosso exemplo foi usado um rebatedor tamanho A4 branco.
• Em algumas situações de pouca luz o rebatedor não produzirá resultado.

O resultado:
• Analisando as duas imagens é possível ver que as sombras “duras” predominam na imagem que está no alto, o contraste não é o ideal e a sombra da dobra da toalha chama muito a atenção de quem a observa.
• Já na segunda imagem, abaixo, é possível visualizar com maior nitidez os detalhes dos plugs e a sombra da dobra é menos intensa.
• As cores também ganham em brilho e nitidez.
Iluminação 02
Por: Vivaldo Armelin Júnior - Out./18
• A iluminação quando não é possível comprar um equipamento profissional pode ser improvisada com o uso de abajures com lâmpadas de Led, eles são mais baratos e tem bons resultados. A lâmpada terá que ter uma boa potência, mas nada a exagerar, por exemplo, o correspondente a 80 ou 100 w nas lâmpadas comuns.
• Você pode montar o próprio equipamento de material plástico, papelão e até madeira compensado. A parte externa deve ser pintada de preto, já a interna branco, prateado etc. O importante é não ficar pesado. Todo material pode ser adquirido em casas comerciais de material elétrico. O tamanho irá depender da área a ser iluminada. Não deixar que as lâmpadas tenham contato com a parede da caixa refletora. À frente da caixa pode-se colocar um difusor de papel manteiga ou vegetal, ou ainda, coloridos, como o papel celofane.
• Para áreas maiores pode-se colocar duas até quatro lâmpadas de Led. Usar fiação de qualidade para não ter problemas de sobrecarga. No YouTube tem vários vídeos ensinando fazer softbox e outros tipos de iluminadores com Led.
• A primeira fotografia, à esquerda, foi usado um softbox pequeno e luz natural, não foi usado um difusor, por essa razão é fácil perceber o ponto mais iluminado.
• A segunda foto, à direita, mas abaixo, foi feita apenas com a luz natural, observem que as áreas mais iluminadas ganham mais destaque do que a não iluminada, perdendo-se em parte o conjunto. No dia desta captura a luz solar ajudou, pois não havia nuvens e a cortina agiu como um difusor.
• Já a terceira fotografia, abaixo e à direita, também foi feita com duas fontes de luz e mais um pequeno rebatedor prateado. Afrente do softbox caseiro um difusor de papel vegetal. Vejam que a iluminação ganhou qualidade e criou um conjunto.
• Essas capturas poderiam ser realizadas com faroletes de Led, com mais de 100 Leds e bateria recarregável. O de pilha não vale a pena, o custo é alto. Da mesma maneira a frente da lente pode-se usar um difusor do mesmo material citado anteriormente.
 Introdução – 01
 Por: Vivaldo Armelin Júnior – Jun./15
• A iluminação é o fenômeno natural ou artificial que nos permite enxergar, o mesmo para a fotografia, pois sem a luz não haveria imagem a ser registrada.
• Outro fator importante, o ser humano com seus equipamentos aprendeu a controlar a luz.
• Essa ação não é nova, foi na realidade iniciada lá na Pré-história quando passou a produzir fogo e a controla-lo. Portanto, nos nossos dias a novidade é apenas o meio como a capturamos e a modificamos.
• Da caixa escura utilizada por Leonardo Da Vinci à primeira câmera fotográfica o ser humano precisou estudar muito, consequentemente houve no trajeto muitos erros, mas também acertos, porém foram os erros que levaram ao acerto.
• Todo esse conhecimento chegou ao nosso tempo e o bom fotógrafo precisa aprender e entender a luz e como ela reage a cada momento e no interior do equipamento.
• As câmeras fotográficas possuem componentes que controlam a luz e determinam como ela vai chegar ao sensor ou filme. Esse componente é o obturador.
• Existem outros componentes, como, o diafragma, o ISO (antiga ASA em filmes), o balanço de branco etc.
• As objetivas tanto de equipamentos com elas fixas (câmeras compactas e superzoom) e as cambiáveis (câmeras mirrorless, reflex de entrada e reflex full frame) também tratam a luz antes que ela chegue ao sensor ou ao filme. A variação do ajuste, na unidade de medida milímetro, produz resultados diferentes na imagem final, como o foco igual em toda área da composição, o foco apenas no primeiro plano, no fundo e o primeiro plano desfocado etc. Você pode ver que entender a luz e cada um dos ajustes ocorre não é tão simples, mas com o tempo não terá nenhuma dificuldade.
• Esta nova seção do site FotoMBoé pretende facilitar as coisas para você visitante, mesmo porque os manuais de instrução são muito rápidos e incompletos ao tratar do assunto luz.
• Para esta imagem foi usado o flash da câmera compacta em interior. Os ajustes da velocidade de obturação 1/60 seg., da abertura do diafragma f/2.8 e ISO 100.
• O dia estava chuvoso e muito nublado. Esta imagem foi capturada sem o uso do flash. Os ajustes da velocidade de obturação 1/223 seg., da abertura do diafragma f/6 e ISO 100.
• O dia estava ensolarado. Esta imagem foi capturada sem o uso do flash. Os ajustes da velocidade de obturação 1/741 seg., da abertura do diafragma f/7 e ISO 100.
• O dia estava ensolarado e foi convertida para sépia. Esta imagem foi capturada sem o uso do flash. Os ajustes da velocidade de obturação 1/741 seg., da abertura do diafragma f/7 e ISO 100.
• As poucas nuvens cobriam a luz solar naquele dia. Esta imagem foi capturada sem o uso do flash. Os ajustes da velocidade de obturação 1/105 seg., da abertura do diafragma f/2.8 e ISO 100.
• Ver da esquerda para a direita.
• A luz solar naquele dia estava fraca por causa do horário. Esta imagem foi capturada sem o uso do flash. Os ajustes da velocidade de obturação 1/100 seg., da abertura do diafragma f/2.8 e ISO 100.
• Exemplo de super exposição.
• Exemplo de subexposição.
• Convertida para escala de cinza.
Direitos Autorais
• Todos os direitos reservados! É proibido imprimir, copiar, distribuir (mesmo a título de gratuidade), encartar, reproduzir (por qualquer meio mecânico, eletrônico, digital, fotográficos, filme e vídeo), sem a devida autorização fornecida por escrito pelo proprietário do Site FotoOlhar.com, antigo FotoMBoé.com. Todas as imagens (desenhos, pinturas, ilustrações, fotografias, vídeos etc.), textos, slides show, galerias, apresentações (em Flash, exe, html etc.) foram produzidas por Vivaldo Armelin Júnior que é o detentor dos direitos autorais.
• É permitida a abertura exclusiva online, qualquer outra possibilidade é necessário autorização por escrito fornecida pelo responsável, acima descrito.
Voltar para o conteúdo